Término de correção de concurso literário é esperado para o fim do mês

O Desafio de Redação, concurso literário promovido pelo Diário que tem neste ano sua 11ª edição, resultou na produção de 104.451 textos entre as sete cidades. Sob o tema O Lixo Nosso de Cada Dia, estudantes da rede pública e privada deram sugestões para a resolução do problema cotidiano.
 
A organização da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), que é correalizadora da iniciativa e responsável pela correção dos textos, estipula o fim de outubro como prazo para o término do processo. A data da premiação está programada para o dia 8 de novembro.
 
A cada fase da correção, que já dura uma semana, alunos de diversos cursos da USCS têm como tarefa levar 500 redações para casa e corrigir no período de dez dias. Cada corretor seleciona 50 textos e os direciona à segunda fase, onde o processo será repetido. A ideia é que, na etapa final, 1.000 redações estejam nas mãos de professores e estudantes das áreas de Pedagogia, Jornalismo e Direito.
 
Segundo o professor de Comunicação e integrante da organização do evento Ricardo Carvalho de Almeida, cerca de 50% dos textos já foram corrigidos. “Nos últimos três anos, a quantidade de redações estava na faixa dos 98 mil. É interessante que número extremamente expressivo de jovens se coloca em reflexão sobre um problema de interesse coletivo e o impacto é enorme”, relata.
 
Para alunos do Ensino Médio e da EJA (Educação de Jovens e Adultos) o gênero dissertativo-argumentativo deve ser utilizado na produção literária. Já estudantes do Ensino Fundamental têm estilo de escrita livre. A coerência com o tema, criatividade, gramática, legibilidade e obediência ao número de 20 a 30 linhas são os critérios principais.
 

Ainda segundo Almeida, o questionário aplicado neste ano sobre a situação educacional da região servirá como devolutiva às escolas. “O questionário foi montado a partir de adaptação de modelo do Ministério da Educação. Em médio prazo poderemos comparar e confrontar a pesquisa regional com a nacional. É a primeira vez que isso acontece”, diz.